Conheça
o Serta

Serviço de Tecnologia
Alternativa
QUEM SOMOS

O Serta – Serviço de Tecnologia Alternativa – é uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscip) que tem como Missão formar pessoas para atuarem na transformação das circunstâncias econômicas, sociais, ambientais, culturais e políticas e na promoção do desenvolvimento sustentável, com foco no campo.
A organização foi fundada em 1989 a partir de um grupo de agricultores, técnicos e educadores que desenvolviam em comunidades rurais uma metodologia própria para a promoção do meio ambiente, a melhoria da propriedade e da renda e o uso de tecnologias apropriadas. Desde sua origem, teve como foco o desenvolvimento e reconhecimento da importância da agricultura familiar.
Atua a partir de duas Unidades Pedagógicas: em Ibimirim, às margens do Açude Poço da Cruz, e, em Glória do Goitá, no Campo da Sementeira. Foram constituídas, nos dois campi, escolas técnicas de formação profissional – Centro Tecnológico da Agricultura Familiar – na categoria de curso profissional de Técnico de Nível Médio em Agroecologia.

Visão
Ser inspiração para o fortalecimento de redes de Educação transformadora, de movimentos agroecológicos, de construção e disseminação de tecnologias sociais, colaborando para a efetivação de políticas públicas de desenvolvimento sustentável através do compartilhamento do PEADS.

Valores
Cooperação. Solidariedade. Transparência. Entusiasmo. Respeito à diversidade. Ética. Afetividade. Compromisso institucional. Crença nas pessoas. Respeito ao meio ambiente. Valorização das especificidades locais.

Objetivos Estratégicos
1. – Criar e consolidar Política de Sustentabilidade Organizacional
2. Fortalecer o Modelo de Gestão compartilhada e democrática
3. Ampliar e Qualificar a oferta dos serviços de educação transformadora em vários níveis e modalidades por meio do PEADS
4. Ampliar o trabalho das redes de educação transformadora, de movimentos agroecológicos e da construção e disseminação de tecnologias sociais nos territórios.
5. Fortalecer a capacidade de incidir na criação e operacionalização de Políticas públicas de desenvolvimento sustentável.

UNIDADE

GLÓRIA
DO GOITÁ

Ficha técnica

Área: 15 hectares.
Distância (Recife): 65 km.
Estrutura: Salas de aula, auditório, restaurante, dormitórios, área de lazer e esportes, ecotecnologias alternativas.

Rodovia PE 50 - Km 14 | Campo da Sementeira, S/N | Zona Rural, Glória do Goitá - PE

Ficha técnica

Área: 6 hectares.
Distância (Recife): 345 km.
Estrutura: Salas de aula, auditório, restaurante, dormitórios, ecotecnologias alternativas.

Açude Engenheiro Francisco Saboya, S/N | Povoado Poço da Cruz | Zona Rural - Ibimirim - PE

UNIDADE

IBIMI
RIM

Ecotecnologias

Disseminamos, criamos e implementamos ecotecnologias que buscam atender às necessidades humanas no campo das seguranças alimentar e nutricional, a serviço da agroecologia, fazendo uso de recursos e energias sem que causem danos ecológicos ao meio ambiente.

Nesta cessão, apresentamos algumas das ecotecnologias que estão reunidas nas Unidades Pedagógicas de Produtivas de Orgânicos – UPPO. Este ambiente, localizado nos campi Glória do Goitá e Ibimirim/PE, reúne dezenas de tecnologias sociais apropriadas à realidade do campo, desenvolvidas e/ou aplicadas na interação com pesquisadores/as, educadores/as e estudantes do curso técnico de agroecologia, e que apresentam soluções para a inclusão e melhoria das condições de vida, especialmente para a população rural.

O lugar recebe, anualmente, milhares de visitantes que buscam conhecer de perto a experiência. Agende uma visita e conheça.

METODOLOGIA

Os princípios, que constituem a base filosófica do Serta, são inspirados em vários autores e vêm sendo reelaborados a partir da prática dos seus educadores e técnicos. As bases do Programa Educacional de Apoio ao Desenvolvimento Sustentável vêm sendo desenvolvidas desde 1994 e resultam de reflexões e práticas em escolas, programas assistenciais, formação de produtores, educadores e jovens. Alguns dos componentes do Peads foram, inclusive, incorporados ao documento Diretrizes Operacionais para Educação do Campo, elaborado pelo Conselho Nacional de Educação e homologado pelo Ministério da Educação (MEC).

O Peads trabalha com sistemas formais e não-formais de educação, sempre na perspectiva da mobilização social e da construção de bases tecnológicas e sociais que o desenvolvimento sustentável requer. Em todo Brasil, o Serta se tornou referência na proposição e implantação das diretrizes curriculares para as escolas do campo. Atualmente, em aproximadamente 70 escolas de 15 municípios, a metodologia Peads orienta a formação de professores/as.

O Peads trabalha simultaneamente o ensino, a pesquisa e a extensão como instrumentos de inovação, transformação e inclusão social. O processo educativo consiste em investigar as atividades econômicas e as variáveis governantes que inibem o desenvolvimento local dos territórios onde os jovens e os educadores atuam e vivem.

É uma metodologia que promove o desenvolvimento de diversas competências através de ações de sensibilização, pesquisa, problematização, desdobramentos e intervenções capazes de transformar a realidade existente estimulando a autonomia e o protagonismo dos sujeitos sociais da comunidade. Na prática, o Peads se diferencia na medida em que elege:

1. A escola e o aluno como produtores de conhecimento sobre a realidade, em apoio aos processos de desenvolvimento em curso;

2. O adolescente como protagonista e liderança capaz de modificar o seu entorno e as circunstâncias em que vive;

3. A família, como parceira pedagógica, fonte de soluções e não de problemas.

O emprego do Peads transforma os sujeitos sociais em co-autores e co-executores do processo de desenvolvimento. Está aberta ao diálogo com outras metodologias especialmente o Protagonismo Juvenil e a mobilização social. O Peads se estrutura em quatro etapas: pesquisa, análise e desdobramento, devolução para a ação, e avaliação.

O mérito maior do Peads e do Serta é ter conseguido desenvolver um Programa Educacional que interage com a Escola Formal, com o sistema regular de ensino e, ao mesmo tempo, integra, numa síntese, as contribuições da Educação Popular e das experiências complementares à escola.

PEADS

O Peads – Programa Educacional de Apoio ao Desenvolvimento Sustentável é uma pedagogia criada e sistematizada pelo Serta, a partir da experiência com educadores/as e educandos, sob a maestria do filósofo Abdalaziz de Moura, sócio fundador da organização, que durante os anos de atuação pode perceber, diagnosticar e reformular o método de educação que se encontrava distante da identidade, do contexto local dos estudantes do campo.

Aqui, é possível baixar artigos, relatórios e estudos aprofundados sobre a história do Peads e os principais relatos da experiência, nacionalmente reconhecida e premiada, que se tornou itinerário pedagógico de todos os projetos desenvolvidos pelo Serta, adotada por dezenas de instituições do ensino informal e formal, da educação infantil ao ensino superior.

Conheça
nossos
projetos
PROJETOS

OS PROJETOS desenvolvidos pelo Serta são elaborados e negociados com os financiadores e/ou parceiros dentro da área de atuação da organização. Os projetos, portanto, devem fortalecer e ampliar os objetivos do Serta. A linha de ação do Serta enfatiza o respeito ao meio ambiente e a promoção do desenvolvimento sustentável.

Os campi do Serta contam com uma propriedade modelo chamada Unidade Pedagógica Permacultural de Observação – UPPO. Lá, os visitantes e estudantes têm a possibilidade de conhecer tecnologias de manejo de solo, água, animais e plantas.

O Serta atua a partir de dois campi: em Ibimirim, às margens do Açude Poço da Cruz, e, em Glória do Goitá, no Campo da Sementeira.

Todos os dias da semana o Serta recebe visita de pessoas e instituições. Uma visita ou uma aula na UPPO serve como oportunidade para conhecer não só as tecnologias de manejo como também as bases filosóficas do Serta, sua concepção de mundo, de natureza e das relações entre pessoa e natureza.

O espaço funciona de segunda a sábado, de 8h às 17h, e é aberto ao público no geral. É necessário agendar pelos fones (81) 3658 1226/1265 ou através do formulário de contato.

Imagem de capa do card
Agricultores idosos do Moxotó

Local de atuação: Betânia, Ibimirim, Inajá e Manari

Idealizado para garantir o direito ao envelhecimento ativo e o protagonismo de agricultores/as familiares idosos dos municípios de Inajá, Ibimirim, Betânia e Manari, por meio da implementação de quintais produtivos e ecotecnologias sociais, para garantia da segurança alimentar e nutricional das famílias, bem como a geração de renda e protagonismo dos idosos no meio rural do sertão do Moxotó.

O projeto estimula atividades produtivas e de geração de renda que contribuam com o envelhecimento ativo e o protagonismo de idosos na microrregião, por meio de implementação de quintais ecoprodutivos, bem como ecotecnologias sociais que garantam a segurança alimentar e nutricional para famílias com agricultores familiares idosos. Além disso, projeto proporciona atividades físicas, de lazer e ocupacionais.

Imagem de capa do card
Comunidade Rural Socioprodutiva Fortalecimento das Estruturas Produtivas Hortifruticultoras do Agreste Alagoano

Local de atuação: Palmeira dos Índios

Prestar serviços de Assistência Técnica e Extensão Rural – ATER a sessenta famílias de agricultores/as familiares em situação de vulnerabilidade sociais da mesorregião da Zona da Mata dos estados de PE e AL, assegurando ações de fomento a transição agroecológica aos sistemas agroalimentares de comunidades rurais com base de produção da hortifruticultura, visando a geração de trabalho e renda, soberania alimentar e segurança nutricional como alternativa ocupacional das famílias no território.

O projeto engloba processos capacitação das famílias para práticas de manejo agroecológico nos sistemas agroalimentares; organização comunitária e familiar para segurança hídrica; realização de ATER; fomento a iniciativas de fortalecimento da comercialização solidária aos mercados locais e institucionais.

Imagem de capa do card
Criança Desenvolvendo Cidadania

Local de atuação: Glória do Goitá

O projeto desenvolve atividades formativas na perspectiva do resgate da identidade, protagonismo e empoderamento de crianças e adolescentes de comunidades rurais de Glória do Goitá. Neste sentido, foram criadas a Orquestra Divina Sinfonia, o grupo de flautas Sopro da Vida e o Anjos de Cordel (literatura).

Preservar e prevenir contra a violência sexual, negligência e vulnerabilidade social, articulando a rede de proteção infantil com escolas do campo, gestores e pais é um dos objetivos do Criança Desenvolvendo Cidadania. O projeto tem como parceiro estratégico a Fundação Itaú Social e apoio da Prefeitura Municipal de Glória do Goitá, do Conselho da Criança e Conselho Tutelar.

Imagem de capa do card
Curso Técnico em Agroecologia

Unidades Pedagógicas: Campi Ibimirim e Glória do Goitá

O curso profissionaliza pessoas para se tornarem empreendedoras do e no campo, assim como no amplo universo de atuação da agroecologia, em atividades agrícolas, agropecuárias, ambientais, beneficiamento e agregação de valor de produtos, logística, comercialização da produção, gestão de negócios, confecção de ecotecnologias para o manejo integrado da propriedade, com conhecimento da legislação e das políticas públicas da agricultura familiar, assistência técnica e extensão rural e vivência junto aos movimentos sociais do campo e de direitos humanos.

Fruto da sistematização da experiência bem sucedida de formação com jovens em Agente de Desenvolvimento Local – ADL, iniciada pelo Serta em 1999, no município de Glória do Goitá, a formação profissional de nível médio de técnicos em Agroecologia – Eixo Tecnológico: Recursos Naturais, já formou mais de 2mil técnicos/as. O curso tem duração de 18 meses, correspondendo a 1.200 horas, e mais 200 horas de estágio curricular supervisionado, e funciona em regime de alternância: durante o mês, o curso é realizado uma semana de imersão presencial e três semanas em tempo comunidade, desenvolvendo os aprendizados.

Na semana de imersão, os/as estudantes desenvolvem as atividades pactuadas no plano de curso, construído pela escola e aprovado pelo Conselho Estadual de Educação, que se relaciona com os quatro módulos: Básico e Introdutório; Desenvolvimento Tecnológico; Desenvolvimento Local e Cidadania e Empreendedorismo e Negócios.

Com a pandemia, a estrutura curricular adaptou-se ao sistema híbrido, com atividades remotas e práticas de campo em pequenos grupos, nos municípios, com supervisão dos educadores do Serta.

As atividades estão relacionadas aos projetos de vida de cada estudante, associadas à pesquisa, produção de textos, mutirões, mobilizações sociais e confecções de ecotecnologias para o desenvolvimento sustentável. Toda prática volta para a “sala de aula”, onde se constitui o conhecimento e oferece significado aos aprendizados, a partir das realidades vivenciadas. O curso é norteado pela prática pedagógica, pelos princípios e valores do Programa Educacional de Apoio ao Desenvolvimento Sustentável – PEADS, e inspirado na educação popular.

Imagem de capa do card
Educação Ambiental nos Morros

Local de atuação: Vila Santa Luzia e Alto José do Pinho, na Zona Norte do Recife.

O objetivo é desenvolver ações educativas, de promoção a educação ambiental, por meio de campanhas educativas, implementação de ecotecnologias urbanas, que garantam segurança alimentar e nutricional, fomentando uma educação para a sustentabilidade, conscientização ambiental, geração de renda e protagonismo dos/as jovens das comunidades periféricas do Recife.

Além disso, a implementação quintais produtivos e hortas comunitárias de uso comum. As ações têm o objetivo de envolver a comunidade escolar em discussões voltadas à sustentabilidade, arborização e uso de transportes alternativos e saudáveis para a locomoção pessoal e à mitigação das emissões de gases que provocam o efeito estufa.

Imagem de capa do card
Entrando em cena – Energia que transforma o campo

Local de atuação: Escolas do campo de Lagoa do Itaenga

Formar crianças e adolescentes de escolas do campo para promoção da cultura popular, com foco na valorização e difusão da cultura local, provocando atitudes transformadoras e o reconhecimento de sua identidade, no município de Lagoa de Itaenga. Este é o objetivo do projeto que atende famílias de crianças e adolescentes matriculados na rede pública municipal de ensino. O projeto contribui, ainda, na formação de educadores/as do campo para implantação do Programa de Educacional de Apoio ao Desenvolvimento Sustentável (PEADS), considerando a arte e a cultura popular como elementos para o currículo escolar.

Oferece oficinas de arte-educação, despertando sensibilidades que provocam nas crianças, nos adolescentes e nas famílias atitudes transformadoras de si e da sociedade em que vivem, de forma coletiva e comunitária. Busca integrar artistas, grupos culturais juvenis, arte-educadores populares e mestres de saberes com as escolas do campo, promovendo discussões sobre arte, cultura popular, participação social e desenvolvimento local, contribuindo para discussões que pautem seu fazer cultural com vista ao desenvolvimento local sustentável.

Imagem de capa do card
Juventude Innova– Aliança pelo clima na Borborema

Local de atuação: Algodão de Jandaíra, Areia, Casserengue, Pilões e Remígio.

A Aliança Juventude Innova: Educação e Ação pelo Clima na Borborema é um dos projetos selecionados pelo PROJETO INNOVA AF – macroprojeto, executado pelo Serta, coordenado pelo Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA) com o fomento do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA).

O objetivo é promover a formação de uma rede de educadores da juventude, com prioridade para jovens e mulheres, do Território da Borborema, na construção de um processo de educação contextualizada e tecnologias sociais de convivência com o Semiárido para superação dos efeitos das mudanças do clima.

Imagem de capa do card
Laboratórios Vivos de Ecotecnologias para o Desenvolvimento Sustentável do Território de Suape

Local de atuação: Território de Suape – comunidades de Gaibu, Nova Vila Tatuoca, Nova Vila Claudete, Engenho Massangana e Assentamento Sacambu

O Complexo Portuário-Industrial de Suape hoje tenta se compreender como uma realidade que envolve mais do que indústrias e porto. Há pessoas comuns, consumidores, agricultores, comerciantes, artesãos, artífices, pescadores, marisqueiras, assentados, quilombolas. Realidade que perpassa por povoados, distritos, engenhos, assentamentos, mercados locais, economia informal, pessoas que foram expulsas, pessoas que chegaram e pessoas que resistiram.

O projeto Laboratórios Vivos de Ecotecnologias para o Desenvolvimento Sustentável do Território de Suape realiza a manutenção de espaços de produção e formação implantados nas comunidades de Gaibu, Nova Vila Tatuoca, Nova Vila Claudete, Engenho Massangana e Assentamento Sacambu.

Os laboratórios são espaços para construção de conhecimentos destinados à demonstração, experimentação, estudo e vivências práticas ligadas à produção agropecuária, preferencialmente de base agroecológica, com concepções voltadas para educação ambiental com foco na produção, preservação e conservação ambiental. Apresentam-se como instrumento de propagação da forma de pensar a produção de alimentos e o bem-estar de quem produz e de quem consome, preservando o meio ambiente.

Servem de inspirações para famílias, lideranças, organizações, gestores públicos e toda comunidade do entorno que tenham interesse em conhecer experiências de Ecotecnologias para as seguranças alimentares, energéticas, nutricionais e hídricas a serem implementadas em suas propriedades e comunidades. Por essa intencionalidade, os laboratórios são espaços de construção de conhecimentos para aplicabilidade e transformação de vida das pessoas.

Mutirão Ciranda

Local de atuação: Glória do Goitá, Tracunhaém, Camutanga, Palmares, Jaqueira, Quipapá, Maraial, São Benedito do Sul, Recife, Abreu e Lima, Camaragibe, Araçoiaba, São Bento do Uma, Pesqueira, Iati, Águas Belas, Ibimirim, Inajá, Solidão, Flores, Iguaracy, Tuparetama.

O Mutirão Ciranda é uma tecnologia social reconhecida, premiada nacionalmente, construída a partir das concepções da fundação do SERTA e aperfeiçoada pelas gerações de jovens, mulheres, agricultores/as familiares e educadores populares que acreditam no “mutirão” como ação coletiva e solidária, consolidada para mobilização de recursos humanos, sociais, técnicos, financeiros e produtivos disponíveis no território, potencializando uma cultura autogestionária para transformação das circunstâncias locais.

O Projeto tem como objetivo promover o desenvolvimento territorial a partir dos sistemas de produção de base agroecológica para geração de renda e inclusão socioprodutiva e processos emancipatórios em comunidades tradicionais, agricultores familiares e assentados da reforma agrária, por meio da reaplicação da Tecnologia Social Mutirão Ciranda. Utiliza-se das diretrizes curriculares da agroecologia, educação popular, economia solidária e permacultura como itinerário pedagógico.

Os/as educadores/as do Serta mobilizam, pesquisam, sistematizam o resultado da pesquisa e elevam esse conhecimento ao patamar da ação junto às famílias e aos demais atores sociais envolvidos, tendo a avaliação como parte cíclica de todo o processo.

A partir daí surgem as formações e os mutirões, que são dinamizados nos vinte núcleos de mutirões, como cultura da ação coletiva e solidária que fomenta a transformação das circunstâncias locais desejada.

Com essa dinâmica, espera-se criar propriedades que se tornem modelos na agroecologia, economia solidária, aplicação de tecnologias sociais, segurança alimentar, assistência técnica e na Educação do Campo. E, assim, possam inspirar outros/as a fazer o mesmo ou semelhante.

Imagem de capa do card
Projeto Emergencial de Geração de Renda e Apoio a Trabalhadores Vulneráveis no Âmbito da Crise Socioeconômica causada pela Pandemia do Covid-19

Local de atuação: Palmeira dos Índios e Santana de Ipanema.

O projeto tem o objetivo de desenvolver um processo de Assistência Técnica e Extensão Rural – ATER para mobilização, identificação e seleção de famílias ou empreendimentos com potencial produtivo, para compra de alimentos/produtos, com prioridade para os oriundos da agricultura familiar, e realização de doação desses alimentos, no formato de cesta, a grupos de trabalhadores/as informais mais vulneráveis, tais como vendedores ambulantes, diaristas e empregadas domésticas, catadores de material reciclável, pessoas em situação de rua e mendicância, na Mesorregião do Agreste Alagoano.

A compra e doação simultânea de alimentos potencializam o pequeno comércio e proporciona segurança alimentar e nutricional das pessoas. Protege e fortalece os/as agricultores/as familiares, que são empreendedores de pequeno porte, mais vulneráveis aos efeitos econômicos e sociais do combate à pandemia do coronavírus.

O projeto possui apoio da Superintendência Regional do Trabalho em Pernambuco (SRTb/PE) a partir de uma demanda do Ministério Público do Trabalho em Alagoas (MPT/AL) para auxiliar as populações mais vulneráveis a lidar com as dificuldades de geração de renda e da segurança alimentar, na crise provocada pela pandemia.

Imagem de capa do card
Rede de Promoção de Direitos

Local de atuação: Lagoa de Itaenga

Promover ações em rede de atenção aos direitos das crianças e dos adolescentes do campo para garantia dos direitos fundamentais, apoiando os seus familiares responsáveis com atividades de inclusão socioeconômica nas comunidades rurais da Associação de Produtores e Moradores Agroecológicos do Imbé, Marreco e Sítios Vizinhos (ASSIM).

Desenvolver atividades recreativas, culturais e esportivas para as crianças e adolescentes do campo, em horário complementar ao horário escolar, nas comunidades da Associação de Produtores e Moradores Agroecológicos do Imbé, Marreco e Sítios Vizinhos. Promover assistência técnica em 30 propriedades da agricultura familiar, buscando a ampliação e diversificação da produção agroecológica no território da Associação de Produtores e Moradores Agroecológicos do Imbé, Marreco e Sítios Vizinhos.

Agregar valor aos frutos/hortaliças produzidos de forma agroecológica e produtos be- neficiados nas propriedades da agricultura familiar para comercialização nas feiras or- gânicas da Região Metropolitana de Recife. Apoiar a infraestrutura dos Núcleos de Comercialização de 08 Feiras de Produtos Or- gânicos da área metropolitana do Recife, fomentando o consumo consciente e a educação ambiental dos envolvido.

Semear - Construir o futuro, produzindo no campo.

Local de atuação:Glória do Goitá, Lagoa do Itaenga, Vitória de Santo Antão, Feira Nova e Chã de Alegria

O projeto forma e qualifica cem adolescentes e jovens como técnicos em Agroecologia, para atuarem no fortalecimento das propriedades rurais e no desenvolvimento sustentável dos municípios de Glória do Goitá, Lagoa do Itaenga, Vitória de Santo Antão, Feira Nova e Chã de Alegria, em Pernambuco.

O Semear possui a matriz curricular do curso técnico de Agroecologia do Serta. Como diferencial, os estudantes tem a oportunidade de, a partir de elaboração prévia de projeto, acessar recurso do Fundo de Apoio para a realização de melhorias em sua propriedade, focando em aspectos produtivos, de base agroecológica, projetando a comercialização para geração de renda.

Os adolescentes e jovens possuem assessoria para acessar novos mercados, focando na implantação/fortalecimento de feiras agroecológicas, tanto no âmbito local quanto nos municípios circunvizinhos, dispondo de equipamentos que viabilizam a comercialização.

Adote um projeto produtivo de um estudante. Faça sua doação.

Imagem de capa do card
Semiárido sustentável: Mobilização e ação para a sustentabilidade

Local de atuação: Imibimirim e Manari

Ampliar as possibilidades de geração de renda na agricultura familiar a partir da implantação de ecotecnologias de convivência com o Semiárido, de segurança alimentar e nutricional, na microrregião do Sertão do Moxotó, em Pernambuco. Este é o objetivo geral do Projeto, que dissemina tecnologias sociais aquaponia e bioágua em propriedades rurais de agricultores familiares.

A aquaponia chega a poupar 90% da água que seria utilizada em um sistema tradicional de produção. Neste método, se alia piscicultura (criação de peixes) e hidroponia, para que a água dos criatórios passe por filtros, irrigue os vegetais e volte aos tanques. Já a bioágua aproveita águas de uso doméstico para utilizar na irrigação.

Imagem de capa do card
Trilha do Estatuto

Local de atuação: Campus Glória do Goitá

A partir da Constituição Federal de 1988, a criança, no Brasil, adquire o “status” de sujeito de direitos, abrindo-se um novo cenário, embasado no reconhecimento de sua condição de pessoa em desenvolvimento e de prioridade absoluta, a partir dos princípios da Doutrina da Proteção Integral que passa a aparecer, com a criação do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

Com base nisso, o projeto Trilha do Estatuto visa fomentar o protagonismo, a participação organizada e a expressão livre de crianças e adolescentes no resgate da identidade. Eleva o nível de participação e o protagonismo infanto-juvenil nas organizações e nos grupos que trabalham na defesa do direito da criança e do adolescente, a fim de fortalecer o Sistema de Garantia de Direitos do município de Glória do Goitá, o trabalho em rede, além de assegurar a participação de crianças e adolescentes na formulação e no controle social das políticas públicas a nível municipal, estadual e nacional, impactando também suas famílias.

Vida Saudável nos Morros

Local de atuação: Recife, nos bairros: Alto José do Pinho e Vila Santa Luzia.

O projeto desenvolve ações educativas sobre agricultura urbana orgânica, segurança alimentar e qualidade nutricional com idosos e suas famílias por meio da implementação de quintais ecoprodutivos e hortas comunitárias, promovendo a segurança alimentar e nutricional, bem como a geração de renda e o protagonismo de idosos das comunidades Alto José do Pinho e Vila Santa Luzia, no Recife.

Aborda os desafios da população idosa, com atividades de fomento ao envelhecimento ativo, oportunizando a ocupação do tempo livre do idoso com ações de recreação, lazer e educação, buscando a integração e inclusão de idosos e suas famílias na implantação de quintais ecoprodutivos e hortas comunitárias, por meio de atividades que proporcionem terapia ocupacional, produção de alimentos saudáveis e plantas medicinais para uso comum da família.

Outro objetivo é estruturar feiras agroecológicas para comercialização do excedente da produção dos quintais produtivos e hortas comunitárias, garantindo a geração de renda e a socialização dos idosos.

Alexsandra Maria da Silva – Presidente
Rildo Tomé de Gouveia – Vice-presidente
Aline de Melo Correia – Primeira secretária
Leandro Pacheco da Silva – Segundo secretário
Niedja do Nascimento Nazário – Primeira tesoureira
Marcílio Ferreira – Segundo tesoureiro
Bruna Manoela Pereira de Lima - titular
Maria Madalena da Silva - titular
Paulo Roberto de Lima – titular
Ana Lucia de Lima Ferreira - suplente
Lindicleide Maria da Silva - suplente
Josivan Precino do Nascimento - suplente
Luciana Luiza da Silva
Henrique Almeida
Eduardo Baptista Amorim
Thairony Alexandre
Alex Pimentel
Lindicleide Maria da Silva
Maria do Carmo da Silva
Abdalaziz de Moura Xavier de Moraes
Ana Lúcia de Lima
Antônio Roberto Mendes
Elio José de Souza
Germano de Barros Ferreira
Janaína Maria Gonçalves
Maria de Lourdes Gomes Vieira
Paulo José de Santana
Sebastião Alves dos Santos
Valdiane Soares da Silva
Itamires Kaline de Souza
João Joaquim de Santana
João Lopes da Silva
Jose Amaral da Silva
Josivam Precino
Edemilson José da Silva
Edimilson Porfírio
Edjane Josefa dos Santos
Erika tattyany da Silva
Luciana Maria de Souza Silva
Maria Madalena da Silva
Maria Valdilene Hortêncio
Sandra Maria da Silva
Cicero Rinaldo dos Santos
Glaucio Cavalcanti da Silva
João Rodrigues da Silva
Paulo José de Araújo
Valdir Soares da Silva
Adelma Anita
Luciana Luiza
Maria de Lourdes dos Santos Avelino
Maria Edilene Gomes da Silva
sss
Zuleide Bezerra dos Santos
Robson Santos
Adriana Correia da Rocha Dantas
Alcineide Oliveira Nascimento
Hildenize dos Anjos e Silva
Maria José Severo da Silva
Maria josé Januário
Jacilene Severina da Silva
Laurent Arie Benisty
Lindicleide Maria da Silva
Michele da Costa Brito
Juliano Cesar Petrovich Bezerra
Vanicleide Maria da Silva
Fernanda Macedo Quadro
Jucileide Barboza Borburema
Ivanildo Luiz Vieira da Silva
Thiago Cesar Farias Silva
Claúdia Facini Reis
Guimarães José da Silva
Glauce Keli Oliveira da Cruz Gouveia
Bruno Gabriel Gusmão Feraz Cavalcanti
Lucas de Mendonça Furtunato
Maria do Carmo da Silva
João Carlos Silva Santos
Claúdio da Silva Marques
Gabriel Luiz Brainer de Souza
Silvana da Silva Coutinho
Vanessa Maria Francisca da Silva
Henrique Ferreira da Silva
Antônio Melo da Silva
Zuleide Bezerra dos Santos
Eduardo Baptista Amorim
Thairony Alexandre
Anderson Severino da Silva
Claudemir Ferreira da Silva
João Victor Sabino da Silva
João Vitor do Nascimento
Nivaldo Nery Rodrigues Neto
Adriana Correia da Rocha Dantas
Valdiane Soares
Bruna Manoela Pereira de Lima
Iraci Helena do Nascimento
Janaina de Santana Silva
Lucimaria Maria Ferreira
Rinaldo Gomes De Souza
Henrique Almeida
Linderli Francisco
Maria Manoela de Jesus Mendes dos Santos
Germano de Barros Ferreira
Adington de Araújo Soares
Leonardo de Moura Souza
Tibério P. Monteiro
Píres Contabilidade
Paulo Roberto de Lima
Fabiana Maria Gomes
José Ivanildo Gomes Borba
Irineu Silva
Leandro Carvalho
Iraildo Santos Pereira
Cícero Manoel Gonçalves dos Santos
Taciana da Silva Vieira
Rubenice Maria de Freitas
Ângela Patrícia
Viviane Rosa da Silva
Ivone Sulamita de Farias
Alexsandra Maria da Silva
Rildo Tomé de Gouveia
Aline de Melo Correia
Leandro Pacheco da Silva
Niedja do Nascimento Nazário
Marcílio Ferreira
Iraci Helena do Nascimento
Alexsandra Maria da Silva
Rildo Tomé de Gouveia
Aline de Melo Correia
Leandro Pacheco da Silva
Niedja do Nascimento Nazário
Marcílio Ferreira
Thiago Cesar Farias Silva
Elio José de Souza
Guimarães José da Silva