Serta aporta projeto de energia solar de referência na América Latina

Publicado por Marcelo Francisco da Silva em 17 de maio de 2018

Foto: Marcelo Francisco/SERTA

A partir do mês de agosto deste ano a Unidade Pedagógica do Serta, em Ibimirim/PE, vai inaugurar o primeiro Sistema Agrovoltaico Sustentável da América do Sul. A ação faz parte do projeto encabeçado pela Ecolume – uma rede de pesquisadores nacionais que busca inovação tecnológica regada pelas potencialidades da região do Semiárido. A ideia é aproveitar a energia solar, abundante na região, para armazenar água e produzir alimentos, fortalecendo a produção da agricultura familiar.

As atividades do projeto já iniciaram. Esta semana, estudantes do curso de agroecologia  do Serta Ibimirm participaram de uma palestra sobre placa solar, energia eólica e sustentabilidade, facilitada por pesquisadores da empresa VertSol, integrante da Ecolume. Parte desses agricultores terá treinamento teórico e prático sobre elementos e instalação do sistema.

“No final do próximo mês ou início de agosto, inauguraremos o primeiro Sistema Agrovoltaico Sustentável da América do Sul”, estima a climatologista e Doutora em Recursos Hídricos, Francis Lacerda, líder do projeto. Quando estiver totalmente implantado, terá a capacidade de tornar todo complexo da escola Serta autossuficiente em energia elétrica.

“Nesta 1ª fase, serão instalados 30% do sistema fotovoltaico planejado, auxiliando na redução imediata de um terno dos custos com energia convencional”, explicou o doutor em Botânica Diogo Araújo, proprietário da VertSol, que doou placas fotovoltaicas que serão instaladas com a participação de estudantes de agroecologia.

“O  Serta tem uma posição estratégica no Semiárido como formador de técnicos em agroecologia, e que são importantes para difundir as novas tecnologias para o Semiárido. Desse modo, o pequeno poderá produzir sua própria alimentação e comercializar os excedentes em um pequeno espaço, a partir da energia solar aplicada, dos conhecimentos do sistema agrovoltaico por aquaponia para criação de peixes, vegetais e para viveiros de plantas nativas da Caatinga”,  considera Diogo Araújo.

Para Sebastião, o experimento do Ecolume dentro do Serta “funciona como laboratório, ajudando na formação teórica e prática dos estudantes, para que possam reaplicar os aprendizados em diversas áreas rurais do Semiárido”.

Em seis meses, o sistema agrovoltaico Ecolume/Serta terá a capacidade de produzir 60 quilos de carne retirados das 100 tilápias por tanques de mil litros de água. E este recurso hídrico será usado de forma integrado e simultâneo para o cultivo, em tubos, de plantas de espécies de colheita contínua e diferentes, em especial do tipo medicinais, temperos e hortaliças.

Além da atuação do IPA e do Serta, e da parceria da startup de energia VertSol, a rede Ecolume é formada pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Instituto Nacional do Semiárido (Insa), Instituto Federal do Sertão e a Secretaria Estadual do Meio Ambiente e Sustentabilidade.



Deseja contribuir com essa iniciativa?
Banco do Brasil: AG 2081-8 | C/C 8437-9