Glória do Goitá realiza audiência pública sobre a reforma trabalhista

Publicado por Henrique Lee em 10 de Maio de 2019

Foto: Henrique Lee/SERTA

O sistema previdenciário brasileiro e os impactos na classe trabalhadora foram discutidos nessa sexta-feira, 10, em uma audiência pública realizada por organizações da sociedade civil, movimentos sociais, prefeitura e  vereadores de Glória do Goitá e a população local, na Câmara de Vereadores da cidade. Além das representações locais, se fizeram presentes o deputado estadual Isaltino Nascimento e a vice-governadora Luciana Santos.

O deputado Isaltino fez uma apresentação da proposta de Emenda à Constituição 6/19 que altera o sistema de Previdência Social, conquista da Constituição de 1988 para os trabalhadores/as.

A idade mínima para aposentar será de 65 anos para os homens e 62 para as mulheres, hoje, a idade mínima para mulheres é de 60 anos e 65 para os homens. Dentre os destaques previstos para a aposentadoria rural em análise na Câmara dos Deputados, está o regime que obriga o agricultor a contribuir com a previdência anualmente no valor de R$ 600,00.

O Serta é uma das organizações que debate os efeitos de uma eventual aprovação da proposta de reforma da Previdência enviada pelo governo federal ao Congresso. Para Germano Barros, presidente do Serta, a reforma precisa ser barrada porque “causará um grande processo de migração do campo para as grandes cidades, o aumento da pobreza, fome e desigualdade social. Uma posição política de dizer que direito não se tira, nem diminui. Direito se qualifica e amplia”, defendeu.

A vice-governadora reprova o prosseguimento da Ementa. “Não tem como dar certo porque é inviável e insustentável. Um regime de capitalização que não deu certo em lugar nenhum do mundo. No Chile foi implementado e o resultado foi desastroso, com suicídio de idosos, sem resolução dos problemas reais”, apontou Luciana.

“Eles querem modificar a Constituição porque facilita no processo de votação, onde dois terços de deputados podem fazer a decisão. O que é um problema, porque a Constituição é a garantia de direitos dos interesses básicos do povo brasileiro”, concluiu.

A agricultora Iracema dos Santos, presidente do Sindicato dos trabalhadores Rurais de Glória do Goitá, está firme na luta contra a Emenda. “Nós agricultores/as não vamos permitir esse retrocesso. Esta previdência não passa e ficaremos atentos aos parlamentares que votarem a favor da mudança para dizer não nas urnas”, disse.

Os relatos da audiência serão sistematizados em um documento que será assinado pelas representações presentes e entregue aos deputados federais. Além disso, o grupo prevê a realização de encontros comunitários para aprofundar o debate.

LEIA AQUI A PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO



Deseja contribuir com essa iniciativa?
Banco do Brasil: AG 2081-8 | C/C 8437-9