Famílias sertanejas comemoram as chuvas

Publicado por Henrique Lee em 26 de Março de 2019

Rios voltam a ter correnteza. Açudes recebem as primeiras enxurradas. Alguns barreiros estão transbordando e cisternas já acumulam água. No Sertão do Moxotó, em Pernambuco, as recentes chuvas estão trazendo esperança de um ano de trabalho na lavoura, com plantio, boas colheitas e água acumulada.

“Já comecei plantar ao redor da cisterna umas melancieiras, e está bem bonitinha. Já estou comendo feijão verde do meu roçado. Graças a Deus que a gente está plantando e está todo mundo muito animado”, comemora a agricultora Josefa Maria, do sítio Araras, município de Betânia/PE.

Outras duzentas famílias rurais dos municípios de Betânia e Inajá também receberam tecnologias sociais de captação de água para produção de alimentos, sendo 191 cisternas de placas de 52mil litros e 10 barreiros trincheira com capacidade de 500mil litros, implementadas pelo Serta.

“Aqui é um lugar muito seco e essas cisternas e esses barreiros vieram na hora certa. No tempo da seca é o maior sufoco e, agora, tendo água, tem tudo”, conta Josefa, que tem planos de fazer novos canteiros para produzir hortaliças: “não dá pra ficar comprando coisas com veneno”.

O Programa Uma Terra e Duas Águas – P1+2, no qual a agricultora faz parte, é realizado em nove estados que compõe a Região do Semiárido brasileiro, e é executado por organizações que fazem parte da ASA – Articulação do Semiárido.

O Programa, nos municípios de Betânia e Inajá, é executado pelo Serta, financiado pelo BNDES – Banco do Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, em parceria dom o Ministério da Cidadania, Governo Federal.



Deseja contribuir com essa iniciativa?
Banco do Brasil: AG 2081-8 | C/C 8437-9